MS pode ser referência na execução de programas em assistência social, diz Luiz Ovando

O deputado federal dr. Luiz Ovando (PSL) afirmou nesta quinta-feira (25) que gestores de assistência social estão empenhados em garantir a execução de vários programas federais da área em Mato Grosso do Sul. A declaração foi dada depois que o encontro com a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, ontem, em Campo Grande, reuniu cerca de 650 pessoas.

A ministra esteve na capital acompanhada de seis dos seus oito secretários para debater a importância dos municípios na implementação do Famílias Fortes e de dezenas de outros programas em assistência social. “Tenho certeza de que Mato Grosso do Sul será exemplo para o restante do país na execução dos programas. Sinto isso em todos, de secretários municipais, a conselheiros tutelares e líderes religiosos”, destaca Ovando, que é médico.

O parlamentar, que teve a ideia de trazer a ministra ao Estado, afirma que as coisas realizadas coletivamente tendem a dar resultados imediatos. “Não temos como fazer nada sozinhos. Vejo motivação no olhar de cada um dos presentes. Vamos sorver o que a ministra Damares tem de melhor, que é fazer as coisas acontecerem”, afirmou Ovando, durante a abertura do encontro.

Damares Alves disse que a construção de lares felizes, com a família unida, é mais difícil que construir aviões e prédios, mas os resultados são os melhores possíveis. “Não há nada melhor que o lar. Peço aos gestores, aos prefeitos: invistam nas pessoas”, conclamou.

A ministra reforçou pedido para que os Estados e os municípios se juntem ao Governo federal para aumentar a proteção às crianças, da primeira infância à idade adulta. “Precisamos fazer um pacto em defesa de nossas crianças”, declarou, afirmando que o número de crianças assassinadas caiu de 10.800 em 2018 para 6.800 em 2019, redução de 63%.

SOS Desaparecidos

Damares afirmou que o Governo federal deve lançar nos próximos dias um aplicativo (SOS Desaparecidos) para que o desaparecimento de uma criança seja comunicado em, no máximo, 20 minutos. “A notícia chegará a todas as autoridades do país, como as policias rodoviárias, federal, militar e civil, principalmente nas fronteiras”, informou.

Na palestra, chamou a atenção para o fato de que o Brasil virou celeiro de pedófilos, cuja atuação é similar ao do crime organizado. “Tem gente de todo o tipo no meio e muito poderosa. É uma organização bem estruturada, mas estamos enfrentando e vamos derrotá-la. Vamos fazer com que os pedófilos tenham medo de agir no Brasil”, disse.

Em relação à violência contra a mulher, a ministra destacou que o Brasil possui a terceira melhor legislação de proteção em todo o mundo, mas é o quinto país que mais mata mulheres. “Precisamos de diagnósticos, trabalhos escritos sobre o assunto. Cheguei ao ministério e não encontrei nada nesse sentido. Não temos trabalhos nessa área. Precisamos capacitar interessados em nos ajudar. Essas políticas estavam abandonadas, sem direção”, apontou