Luiz Ovando acompanha Bolsonaro em visita a Ponta Porã

O dia hoje, 29, ficará marcado para todo e sempre na história de Itamarati, assentamento situado próximo a Ponta Porã. Bolsonaro havia passado mal na noite anterior e foi internado para fazer alguns exames. O que não o impediu de cumprir a agenda em Mato Grosso do Sul. Saímos de Brasília por volta de 9:00 horas da manhã e chegamos em Ponta Porã por volta de 10:15, horário local.

“Chegando em Ponta Porã fomos recebidos pelas “mulheres com Bolsonaro”, aqui faço referência a Tânia Icassati e minha colega Vera Gasparotto,  mulheres participativas e atuantes no Agro e na política brasileira a quem eu parabenizo”, destacou Ovando.

Já no assentamento em Nova Itamarati, produtores rurais e apoiadores receberam o presidente Bolsonaro de braços abertos em clima de festa. Foram mais de 2.600 títulos de propriedade rural entregues aos assentados. Um total de 12.256 documentos de titulação em mais de 164 assentamentos em 51 municípios do Mato Grosso do Sul.

Segundo o presidente Bolsonaro, “os títulos fundiários entregues nesses 3 anos de governo, representam mais que a soma de todos os governos dos últimos 20 anos. Ele representa uma carta de alforria que vai lidar autonomia sobre aquele pedaço de terra.”

Além disso, também foram anunciadas linhas de créditos com valores que variam entre R$ 5 e 16 mil reais, 400 computadores para inclusão e mais de 300 pontos de internet do programa WIFI BRASIL para conectar as instituições de ensino rurais.

Durante seu discurso, Tereza Cristina pontuou que o presidente Bolsonaro a convidou para ser ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento com um só propósito, unir toda a agricultura brasileira em um único ministério. A pequena, média e grande agricultura pois a agricultura brasileira é uma só. Para a ministra, “nesse momento de crise em que passa a humanidade, todos sabes o importante papel que a agricultura tem para o mundo.”  

A entrega desses títulos significa autonomia e segurança para que as famílias de produtores possam cultivar suas terras sem medo, o que esperavam há quase 20 anos. Durante o governo da esquerda, poucos direitos foram assegurados aos produtores rurais e assentados. Uma época na qual o MST comandava invasões a propriedades produtivas. De outro lado está o governo Bolsonaro que garantiu aos agricultores de todo Brasil o direito à propriedade e cortou a mamata de ONGs ligadas a grupos de sem-terra. Antes eram milhares de invasões por ano, hoje, menos de 10.  

Para Ovando, “o propósito do governo Bolsonaro é tornar as pessoas independentes e livres para continuarem desenvolvendo seu potencial. E em relação a terra, fazê-la produzir dando subsídio para o crescimento da família, do município e do estado.”

A agricultura brasileira avançou muito durante o período em que a ministra Tereza Cristina esteve à frente do ministério. Sua despedida não poderia ser melhor, junto com o presidente Bolsonaro em Mato Grosso do Sul, seu estado.

“Tenho orgulho em poder participar desse momento histórico para a população sul-mato-grossense. Vejo que Bolsonaro e seus ministros estão envolvidos e alinhados com o desenvolvimento desta nação através do desenvolvimento das habilidades que o povo brasileiro possui. Foi uma grande experiência, estamos juntos e vamos continuar na luta por um Brasil maior e mais produtivo, finaliza o parlamentar.