NOTA: Dr. Luiz Ovando comenta sobre eleições 2020 e aumento de casos da Covid-19 em Mato Grosso do Sul.

Em Brasília, nesta última terça-feira dia 16, houve reunião com o presidente do TSE, Luiz Roberto Barroso e o vice Fachin com alguns líderes partidários, além dos presidentes das Casas do Congresso, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, onde ficou pré acordado que as eleições não serão disputadas em outubro, como previsto, mas sim em novembro, com o primeiro turno no dia 15 e o segundo, onde houver, no dia 29. Mas na verdade não vejo nenhum propósito nessa iniciativa, defendo que as datas das eleiçōes não sejam modificadas, vivemos época de grande avanço tecnológico com comunicação disponível a todos os grupos sociais.  A campanha pode perfeitamente ser feita por mídia social com muito mais abrangência e eficiência, “não se justifica esse adiamento, é insano”.


Legalmente, para que ocorra o adiamento das eleições, é preciso proposta de Emenda Constitucional porque serão  alterados os Incisos I e II do Art 29 da CF. Além disso é preciso observar o Caput, Incisos e Parágrafos do Art 60 da CF não se esquecendo de que o trâmite se impõe por solicitação de no mínimo 1/3 dos Deputados ou senadores com 3/5 dos Deputados e Senadores favoráveis e em dois turnos nas duas casas. Não vejo com tanta facilidade nessa decisão. 


Acredito que a campanha eleitoral em meio a esse cenário de Pandemia, não haverá mudanças significativas, apenas mais desgaste e tempo que deverá ser bem delimitado. Não vejo qualquer dificuldade porque a campanha tende a ser cada vez mais virtual, vai ser excelente.


Como médico, vejo com muita tranquilidade as eleiçōes ocorrerem no calendário definido originalmente, acredito que estão fazendo um cavalo de Tróia com esse isolamento que não impede um caso, uma morte pelo coronavirus. É jogo de cena e declaração de desconhecimento do comportamento viral, pois vírus,  quando não se tem medidas terapêuticas eficazes, abre-se portas e janelas e deixa-se a disseminação para se encontrar a maior e mais eficiente barreira que é a imunológica. 


O isolamento social em Mato Grosso do Sul começa por volta de 05 de abril e sempre foi muito baixo, não passando 56% quando o ideal é 70% ou mais e atualmente com 36,1%.Com o aumento de 7,5X do número de casos em 30 dias devo registrar que o n° de óbitos no mesmo período caiu de 3% para 1%, com ocupação de leitos clínicos que não passa 7% do total disponível e a porcentagem de internados reduz de 4,5% para 2,3%.

Esse alarmismo da mídia, com concordância do sistema de vigilância sanitária, causa um desserviço à população.  Esquecem-se de que mudança de comportamento passa por instrução e esclarecimento e não terrorismo midiático. 


Está na hora de mudar a estratégia porque a verdadeira intenção tem sido o alarmismo e a instabilidade econômica, social e política, portanto, à luz da epidemiologia não se muda a data da eleição.