Deputado Federal acusa prefeito de reter R$ 22,8 milhões da Santa Casa de Campo Grande

Luiz Ovando afirma que dinheiro federal foi repassado em dezembro e até agora não foi liberado por “interesses políticos” pela gestão municipal

O deputado federal dr. Luiz Ovando (PSL) afirma que a gestão municipal de Campo Grande, retém R$ 22, 8 milhões de recursos federais destinados à Santa Casa do município. O valor corresponde metade do total de R$ 45,6 milhões garantido pelo Ministério da Saúde, em dezembro do ano passado.

Em entrevista à Rádio Hora nesta segunda-feira (1º), o parlamentar afirmou que a Secretaria de Saúde da capital impôs exigência não prevista pelo próprio Ministério da Saúde.

“O dinheiro está parado porque a Secretaria de Saúde de Campo Grande exige que a Santa Casa ofereça contrapartida. Ora, não há contrapartida porque esse dinheiro se refere a valor que o Ministério da Saúde admite dever ao hospital”, explica.

Ovando já tinha denunciado o caso em audiência pública da frente parlamentar em apoio às Santas Casas, realizada quarta-feira (24), na Câmara dos deputados. “Estou em romaria ao Ministério da Saúde deste setembro de 2020. Em dezembro, enfim, houve solução. O ministro Eduardo Pazuello destinou R$ 45,6 milhões a nossa Santa Casa”, descreveu.

O deputado, no entanto, disse que o dinheiro ainda não foi repassado, aumentando os problemas de gestão do hospital. “Vai fazer dois meses que o dinheiro chegou, mas não foi liberado porque o secretário de Saúde do município tomou decisão por interesses políticos”, esclareceu.

De acordo com dr Luiz Ovando, não havia qualquer ressalva do Governo federal para a utilização do dinheiro. “O problema surgiu quando o dinheiro chegou e teria que ser repassado ao hospital. A prefeitura criou obstáculo, impondo contrapartida que não havia”, explica o parlamentar, que é médico há 45 anos.